Internacional da Holanda: Jeffrey Herlings participa e rouba a atenção na MX1

Internacional da Holanda: Jeffrey Herlings participa e rouba a atenção na MX1

Com presença de Jeffrey Herlings, MX1 teve disputas alternadas com altos e baixos dos pilotos

Retardatários tiveram participação decisiva nas disputas ao envolver líderes em quedas

Jeffrey Herlings

A pista de areia de Axel deu sequência ao Dutch International. A prova aconteceu no último final de semana, dias 1º e 02 de agosto, finalizando a preparação de muitos pilotos do Mundial de Motocross que retornam às pistas em breve para retomar a temporada 2020. Desta vez, o tira-gosto do que vem por aí contou com a presença de Jeffrey Herlings e Rene Hofer (KTM). Os outros companheiros de equipe – Tony Cairoli, Tom Vialle e Jorge Prado – optaram por se preservar e não compareceram ao evento.

Ao maior estilo do ditado “quem é vivo sempre aparece”, Herlings não deu às caras à toa: venceu a primeira bateria da MXGP com vantagem de cerca de dez segundos sobre Romain Febvre e Jeremy Sewer, que completaram o top 3. Já Glenn Coldenhoff não estava na mesma maré de sucesso da última prova. O piloto da GasGas chegou a fazer o holeshot, mas logo a prova foi interrompida por bandeira vermelha e na relargada Coldenhoff não repetiu o feito.

Glenn Coldenhoff


“No geral, estou feliz com o resultado. Na classificatória fiquei perto da ponta e qualifiquei em quinto, então foi bom. Na primeira largada, fiz o holeshot, mas deram bandeira vermelha e precisamos recomeçar. Na relargada não fui tão bem, sai em décimo. Rapidamente subi para sexto, mas a essa altura a pista já estava difícil e com uma linha só, foi difícil de fazer as ultrapassagens. Sabia que meu ritmo estava bom, então passei Benoit Paturel com duas voltas para acabar, e o Monticelli ficou enroscado com um retardatário, então passei, finalizando em quarto”, declarou Coldenhoff.

Na segunda bateria, a onda de má sorte chegou a mais pilotos. Jeffrey Herlings largou na frente, mas logo se envolveu em uma queda e foi obrigado a fazer uma prova de recuperação – que diga-se de passagem foi a estrela da corrida. “Larguei bem na segunda corrida, mas vários caras caíram na minha frente e acabei com a roda dianteira presa em uma moto, e a roda traseira presa em outra. Então levou um tempo até eu começar de novo. Sai em último, mas puxei para chegar entre os líderes e o tempo simplesmente acabou. Foi uma prova decente, eu gostei”, avaliou Herlings que completou a bateria em quinto.

Romain Febvre


Coldenhoff largou na frente e chegou a ficar na vice-liderança por metade da prova mas, ao tentar ultrapassar o líder Romain Febvre, se envolveu numa queda com um retardatário. O holandês não conseguiu reaver a posição e finalizou em quarto. Sem Coldenhoff na briga, Romain Febvre venceu a prova sem erros à frente de Brian Bogers (11-2) e Arminas Jasikonis (7-3).

“Foi mais um bom final de semana para nós. O objetivo era se preparar melhor para as largadas do Mundial. Foram duas corridas, quatro largadas, fiz dois holeshots e dois segundo lugares, então são dois finais de semana positivos. Aqui em Axel eu não estava muito confortável na primeira bateria, mas na segunda me sai melhor. Uma vitória é sempre um bom resultado, mas ainda sinto que posso melhorar, então vamos continuar o trabalho ao longo dessa semana antes do GP da Letônia”, comentou Febvre.

Na Overall, Febvre faturou o topo do pódio, seguido de Herlings e Glenn Coldenhoff. Jeremy Sewer (3-6) fechou em quarto e Arminas Jasikonis em quinto.

Roan Van de Moosdijk


Ao contrário das 450cc, as baterias da MX2 foram de disputas equilibrada. Repetindo o bom desempenho do último final de semana, Jago Geerts da Yamaha dominou a classe com duas vitórias sólidas. “Hoje tudo ocorreu como planejado. Fiz o holeshot em ambas as baterias e não poderia ter sido melhor. Consegui controlar bem a prova. Foi um dia bonito aqui em Axel e ganhei bastante confiança para o GP da Letônia no próximo domingo”, comentou Geerts, primeiro colocado. 

Roan Van de Moosdijk, da Kawasaki, também não pode reclamar das provas, o piloto cravou seu lugar na vice-liderança da categoria. “Não tive a volta perfeita nas classificatórias por conta de retardatários e cometi alguns erros, mas finalizei em terceiro. Fiz uma largada decente na primeira bateria, sai em quinto e algumas voltas depois alcancei o segundo posto, mas o líder já estava muito longe. Tive boas disputas com meus colegas de equipe e foi a mesma coisa na segunda bateria, briguei bastante com o Mathys (Boisrame) e o Mikkel (Haarup). Quando passei ambos, ganhei terreno para terminar de novo em segundo. Estou feliz com as provas e ansioso para o próximo GP”, avaliou Moosdijk.

Mathys Boisrame


Também para a alegria da Kawasaki, Mathys Boisrame completou o pódio em terceiro nas duas baterias. “Depois de treinar muito durante esse inverno, finalmente um final de semana com bons resultados. Fui o quinto a escolher o gate e consegui uma boa largada entre os líderes na primeira bateria, inclusive consegui terminar em terceiro mesmo perdendo muito tempo com os retardatários nas últimas voltas. Na segunda bateria, repeti o resultado. Estou feliz com o final de semana, já que me ajudou a entrar no ritmo para as provas na Letônia”, disse Boisrame. 

Rene Hofer (5-4) e Mikkel Haarup (4-5) se intercalaram nos resultados, com Hofer, da KTM, levando o quarto lugar na geral. “Foi um dia divertido. Sem dúvidas a melhor preparação para as próximas provas do Mundial. A pista estava difícil, mas não muito exigente. Não fui bem em ambas as largadas, mas fiz algumas ultrapassagens nas primeiras voltas que me ajudaram bastante. Corri de forma mais prudente, então estou muito feliz com o resultado de hoje. Então definitivamente estou pronto para recomeçar a temporada do Mundial de Motocross”, comemorou Hofer. 

Destaque no último final de semana entre as 125cc, Liam Everts esse final de semana participou da MX2 em Axel (8-10), marcando um oitavo lugar na Overall.

Resultados – 2020 Dutch International – Axel

MX1 – Overall
1. Romain Febvre (Kawasaki) 47pts;
2. Jeffrey Herlings (KTM) 41;
3. Glenn Coldenhoff (GASGAS) 36;
4. Jeremy Seewer 35;
5. Arminas Jasikonis 34

MX1 – Corrida 1
1. Jeffrey Herlings (KTM) 17 voltas, 30:44:678;
2. Romain Febvre (Kawasaki) 30:55:108;
3. Jeremy Seewer (Yamaha) 30:56:128;
4. Glenn Coldenhoff (GASGAS) 31:04:227;
5. Ivo Monticelli (GASGAS) 31:04:667

MX1 – Corrida 2
1. Romain Febvre (Kawasaki) 18 voltas, 33:12:518;
2. Brian Bogers (KTM) 33:13:687;
3. Arminas Jasikonis (Husqvarna) 33:14:963;
4. Glenn Coldenhoff (GASGAS) 33:16:192
5. Jeffrey Herlings (KTM) 33:16.926

MX2 – Overall
1. Jago Geerts (Yamaha) 50pts;
2. Roan Van De Moosdijk (Kawasaki) 44;
3. Mathys Boisrame (Kawasaki) 40;
4. Rene Hofer (KTM) 34;
5. Mikkel Haarup (Kawasaki) 34

MX2 – Corrida 1
1. Jago Geerts (Yamaha) 18 voltas, 33:05:958;
2. Roan Van De Moosdijk (Kawasaki) 33:24:946;
3. Mathys Boisrame (Kawasaki) 33:31:039;
4. Mikkel Haarup (Kawasaki) 33:31.725
5. Rene Hofer (KTM) 33:48.860

MX2 – Corrida 2
1. Jago Geerts (Yamaha) 18 voltas, 33:12:119;
2. Roan Van De Moosdijk (Kawasaki) 33:26:155;
3. Mathys Boisrame (Kawasaki) 33:46:135
4. Rene Hofer (KTM) 33:51.451
5. Mikkel Haarup (Kawasaki) 34:11.883

Fonte: MotoX